Insider Trading




Insider TradingInsider Trading

Insider Trading"Negociacao" refere-se a transacoes em valores mobiliarios de uma empresa, tais como acoes ou opcoes, por membros corporativos ou seus associados com base em informacoes originarias da empresa que, uma vez publicamente divulgadas, afetarao os precos desses titulos. Os membros corporativos sao individuos cujo emprego na empresa (como executivos, diretores ou, por vezes, funcionarios de base) ou cujo acesso privilegiado aos assuntos internos da empresa (como grandes acionistas, consultores, contadores, advogados, etc.) lhes da valor em formacao. Os exemplos famosos de insider trading incluem a transacao sobre o conhecimento previo da descoberta de uma empresa de um minerio de minerais ricos (Securities and Exchange Commission v. Texas Gulf Sulphur Co.), sobre um corte proximo dividendos pelo conselho de administracao (Cady, Roberts Co .), E em um aumento inesperado nas despesas incorporadas (Diamante contra Oreamuno). Embora insider trading normalmente gera lucros significativos. Essas transacoes ainda sao arriscadas. Muita troca por insiders, entretanto, e devido a sua necessidade para o dinheiro ou para balancar suas carteiras. A definicao acima de "insider trading" exclui transacoes em valores mobiliarios de uma empresa feitos em informacoes "externas" nao publicas, tais como o conhecimento de futuros desenvolvimentos no mercado ou da industria ou de estrategias e produtos de concorrentes. Essa negociacao com informacoes originarias de fora da empresa geralmente nao esta coberta por regulamentacao de informacoes privilegiadas.

Insider TradingA negociacao com informacoes privilegiadas e bastante diferente da manipulacao do mercado, da divulgacao de informacoes falsas ou enganosas ao mercado ou da expropriacao direta da riqueza da empresa por parte de insiders. Tambem deve ser observado que as transacoes baseadas em informacoes distribuidas de forma desigual sao comuns e muitas vezes legais nos mercados de trabalho, commodities e imoveis, para citar apenas alguns. No entanto, muitas pessoas ainda encontram insider trading em titulos corporativos censuravel. Uma objecao e que viola os deveres fiduciarios que os empregados corporativos, como agentes, devem a seus diretores, os acionistas (Wilgus 1910). Uma objecao relacionada e que, como os gerentes controlam a producao, a divulgacao eo acesso a informacao privilegiada, eles podem transferir a riqueza de terceiros para eles mesmos de maneira arbitraria e oculta (Brudney, 1979; Clark, 1986). A razao economica avancada para proibir o uso de informacoes privilegiadas e que tal negociacao pode afetar adversamente os mercados de valores mobiliarios (Khanna 1997) ou diminuir o valor da empresa (Haft, 1982).

A regulamentacao do abuso de informacao privilegiada comecou nos Estados Unidos na virada do seculo XX, quando os juizes em varios estados se dispuseram a rescindir as transacoes de insiders corporativos com acionistas desinformados. Uma das tentativas federais mais antigas (e infrutiferas) para regulamentar o uso de informacoes privilegiadas ocorreu apos as audiencias do Congresso de 1912-1913 perante o Comite de Pujo, que concluiu que "as praticas escandalosas de oficiais e diretores em especular dentro e avancar informacoes sobre a acao de Suas Acoes de 1933-1934, aprovadas pelo Congresso dos Estados Unidos apos a quebra do mercado de acoes, embora visando principalmente a proibicao de fraudes e manipulacao de mercado, tambem visavam o uso de informacoes privilegiadas. Esta legislacao federal determinou o desagio dos lucros feitos por pessoas de negocios corporativas em transacoes de ida e volta (compra e posterior venda ou venda e posterior compra) efetuadas dentro de seis meses, divulgacao obrigatoria de transacoes internas passadas e proibicao de venda de acoes "emprestadas" Das suas empresas. Contudo, as Securities Acts nao continham uma proibicao generalizada de informacoes privilegiadas enquanto tais.

Insider TradingA aplicacao mais ampla das restricoes sobre o uso de informacoes privilegiadas so comecou na decada de 1960, quando a Securities and Exchange Commission (SEC) processou os casos Cady, Roberts e Texas Gulf Sulphur usando a Regra 10b-5, uma clausula de captura contra fraudes de valores mobiliarios. Nesses casos e subsequentes que moldaram a evolucao da proibicao geral de informacoes privilegiadas, a SEC fundamentou a sua justificacao para a regulamentacao sobre a injustica do acesso desigual a informacao, a violacao dos deveres fiduciarios por parte de iniciados e a apropriacao indevida de informacoes como uma forma de propriedade . O Congresso dos Estados Unidos e a SEC aumentaram as penalidades para o uso de informacoes privilegiadas, estenderam a proibicao aos mercados de derivativos, proibiram a divulgacao seletiva de informacoes e ate colocaram restricoes ao uso de certos tipos de informacoes "externas", tratando principalmente de aquisicoes terceiros. No entanto, os legisladores federais nunca definiram o uso de informacoes privilegiadas; Na decada de 1980, a SEC realmente se opos aos esforcos para faze-lo. Contudo, desde que a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu os Estados Unidos contra O'Hagan em 1997, a definicao judicial de atividades proscritas tornou-se bastante clara: inclui a negociacao por parte de insiders corporativos e seus associados de informacoes privilegiadas, bem como negociacao por individuos que se apropriam indevidamente de certos Tipos de informacoes "externas" de terceiros.

Insider TradingEm 2004, pelo menos noventa e tres paises, a grande maioria das nacoes que possuem mercados de valores mobiliarios organizados, tinham leis que regulamentavam o uso de informacoes privilegiadas. Varios fatores explicam a rapida emergencia de tal regulamentacao, particularmente nos ultimos vinte anos: o crescimento da industria de valores mobiliarios em todo o mundo, as pressoes para tornar os mercados nacionais de titulos mais atraentes aos olhos dos investidores externos ea pressao exercida pela SEC Legisladores estrangeiros e reguladores para aumentar a eficacia da execucao domestica, identificando e punindo os infratores e seus associados que operam fora dos Estados Unidos. Em alguns paises, o abuso de informacao privilegiada tinha sido regulado por meios privados antes da chegada da regulamentacao publica, como mostram os exemplos do Codigo da Cidade do Reino Unido sobre Aquisicoes e Fusoes e as Diretrizes de Insider Trading Voluntario Alemas. Ao mesmo tempo, a eficacia da proibicao do uso de informacoes privilegiadas e o compromisso de aplica-la tem sido baixos na maioria dos paises (Bhattacharya e Daouk, 2002).

Quem se beneficia da regulamentacao do uso de informacoes privilegiadas? Um grupo de beneficiarios sao profissionais de mercado - corretores de valores, analistas de valores mobiliarios, negociantes de chao, arbitra - dores e investidores institucionais. A razao e que eles sao "proximos na linha" para os lucros comerciais, pois possuem uma vantagem sobre os investidores publicos na coleta e analise de informacoes (Haddock e Macey, 1987). O regulamento tambem beneficia, obviamente, os reguladores - isto e, a SEC - dando a essa agencia maior poder, prestigio e orcamento (Bainbridge, 2002). No entanto, os beneficios das leis de insider trading para pequenos acionistas, os supostos beneficiarios primarios, tem sido amplamente debatido.

Insider TradingHenry G. Manne popularizou a analise economica do "insider trading" (Manne, 1966), embora uma tentativa semelhante de Frank P. Smith tenha sido datada um quarto de seculo antes (Smith, 1941). As principais questoes de politica publica que os economistas e estudiosos juridicos tentaram responder sao: Quao extensas devem ser as restricoes ao uso de informacoes privilegiadas e devem ser obrigatorias por meio de regulamentacao publica ou voluntarias por empresas individuais e bolsas de valores? A pesquisa empirica tem se concentrado na rentabilidade das transacoes de insiders, nos efeitos de insider trading sobre os precos dos titulos e custos de transacao e sobre a eficacia da regulamentacao. Tais estudos tem tido um problema metodologico comum: os dados precisos sobre o uso indevido de informacoes privilegiadas, em oposicao as transacoes divulgadas de insiders, sao, por sua propria natureza, nao disponiveis.

Insider TradingMuitos pesquisadores argumentam que a negociacao de informacoes privilegiadas e um jogo de soma zero, beneficiando insiders a custa de pessoas de fora. Mas a maioria dos estrangeiros que compraram ou venderam para iniciados teria trocado de qualquer maneira, e possivelmente em um pior preco (Manne, 1970). Assim, por exemplo, se o insider vende acoes porque ele espera que o preco caia, o proprio ato de vender pode trazer o preco para baixo para o comprador. Em tal caso, o comprador que teria comprado de qualquer maneira realmente ganha. Mas isso nao significa que ninguem perca por causa de insider trading, embora tais perdas sejam provavelmente difusas e nao facilmente rastreaveis ??(Wang e Steinberg 1996). Os estrangeiros que perdem em tal situacao sao compradores na margem, que nao teria comprado a menos que o insider tinha vendido e baixou o preco ligeiramente, e os vendedores que venderam por menos ou nao poderiam vender em tudo. Consequentemente, alguns comentaristas argumentam que tal desvio sistematico de riqueza de pessoas de fora para pessoas internas pode diminuir o preco da acao e aumentar o custo corporativo do capital (Mendelson, 1969). No entanto, os acionistas de longo prazo, em oposicao aqueles que especulam sobre os movimentos de precos de curto prazo, raramente sao afetados negativamente pelo uso de informacoes privilegiadas, porque a probabilidade e baixa de que tal negociacao afete o tempo de suas transacoes eo preco de mercado correspondente (Manne 1966) .

Um caso controverso e o de se abster de negociar com base em informacoes privilegiadas (Fried 2003). Por exemplo, um insider que tinha planejado vender acoes, mas se abstem com base em informacoes internas positivas, assim, impede marginalmente um potencial comprador de obter um melhor negocio sobre o estoque. Em certo sentido, a abstencao do insider transfere a riqueza do potencial comprador para si mesmo, embora isso nao aconteca consistentemente. No entanto, e claramente inviavel para monitorar e processar insiders para nao negociacao.

Insider TradingHa pouca discordancia de que o uso de informacoes privilegiadas torna os mercados de valores mobiliarios mais eficientes ao aproximar o preco de mercado atual do futuro preco pos-divulgacao. Em outras palavras, as transacoes de insiders, mesmo que sejam anonimas, sinalizam tendencias de precos futuras para outros e fazem o preco das acoes refletir informacoes relevantes mais cedo. Acoes com precos precisos dar sinais valiosos para os investidores e garantir uma alocacao mais eficiente de capital. A questao controversa e se o uso de informacoes privilegiadas e mais ou menos eficaz do que a divulgacao publica. A vantagem das informacoes privilegiadas e que ela introduz motivos de lucro individuais, nao revela diretamente informacoes confidenciais confidenciais e mitiga a aversao da administracao em divulgar informacoes negativas (Carlton e Fischel, 1983; Scott, 1980). A desvantagem potencial do "insider trading" e que pode ser um sinal mais ambiguo e menos confiavel do que a divulgacao (Cox, 1986). O trabalho empirico demonstra que o abuso de informacao privilegiada move os precos na direcao correta (Meulbroek, 1992). Alguns pesquisadores argumentam, entretanto, que essa exatidao de preco adicional so redistribui a riqueza em vez de tornar o processo de alocacao de capital mais eficiente, porque o uso de informacoes privilegiadas acelera o processo por apenas alguns dias ou semanas sem afetar a atratividade de longo prazo de uma empresa como Um investimento (Klock 1994).

Provavelmente a questao mais controversa na analise economica de insider trading e se e uma maneira eficiente de pagar os gerentes de seus servicos empresariais para a corporacao. Alguns pesquisadores acreditam que o uso de informacoes privilegiadas da aos gerentes um incentivo monetario para inovar, procurar e produzir informacoes valiosas, bem como assumir riscos que aumentam o valor da empresa (Carlton e Fischel, 1983). Os pesquisadores tambem apontaram que a compensacao sob a forma de insider trading e "barata" para os acionistas de longo prazo porque ela nao vem dos lucros corporativos (Hu e Noe, 1997). Seus oponentes afirmam que o uso de informacoes privilegiadas tem alguns incentivos negativos e e provavel que recompense mero acesso a informacao em vez de sua producao. O argumento e que permitir o uso de informacoes privilegiadas pode encorajar os gerentes a divulgar informacoes prematuramente (Bainbridge, 2002) ou atrasar a divulgacao para organizar os negocios em acoes (Schotland, 1967), atrasar a transmissao de informacoes aos tomadores de decisoes corporativas (Haft, 1982) Que aumentam os lucros comerciais mas reduzem o valor corporativo (Easterbrook 1981), para aumentar a tolerancia para o mau desempenho corporativo, permitindo que os iniciados lucram com desenvolvimentos negativos (Cox, 1986) e para determinar sua compensacao unilateralmente. Esta controversia nao foi resolvida e e dificil testar empiricamente.

Insider TradingOutro argumento economico para o abuso de informacao privilegiada e que ele fornece uma compensacao eficiente aos detentores de grandes blocos de acoes (Demsetz, 1986; Thurber, 1994). Esses acionistas, que prestam um acompanhamento corporativo valioso e as vezes nao conseguem diversificar suas carteiras com facilidade - e, portanto, assumem o risco desproporcional das flutuacoes de precos - sao compensados ??pela negociacao de informacoes privilegiadas. No entanto, os defensores da regulamentacao indicam que tal acordo permitiria que grandes acionistas transferissem a riqueza de pequenos acionistas para si mesmos de maneira arbitraria e, possivelmente, provocassem conflitos entre esses dois grupos (Maug, 2002). Esta preocupacao pode explicar por que a SEC, em 2000, adotou o Regulamento FD (FD significa "divulgacao completa") que proibe a divulgacao seletiva de informacoes por parte das empresas a grandes acionistas e analistas de valores mobiliarios.

Insider TradingUm argumento comum e que a presenca de informacoes privilegiadas diminui a confianca do publico e afasta muitos potenciais investidores dos mercados de acoes, tornando-os menos liquidos (Loss 1970). Mas a possibilidade de negociacao com informados mais bem informados provavelmente faria com que os investidores descontassem o preco da seguranca pelo valor da perda esperada, em vez de recusarem-se a comprar a seguranca (Carney, 1987). Comparacoes empiricas entre paises nao demonstram claramente que uma aplicacao mais rigorosa da regulamentacao relativa a informacoes privilegiadas causou directamente uma participacao mais generalizada nos mercados de accoes. Outro argumento e que o abuso de informacao privilegiada prejudica a liquidez do mercado aumentando os custos de transacao. A alegada razao e que os intermediarios especializados em mercado que fornecem liquidez comprando e vendendo continuamente titulos, como os especialistas da NYSE ou os negociantes do NASDAQ, perdem consistentemente da negociacao com insiders e recuperam suas perdas aumentando seu spread bid-ask (o diferencial entre comprar E precos de venda) (Bagehot, 1971). No entanto, a falta de processos judiciais por parte dos criadores de mercado, exceto nos mercados de opcoes, e uma forte evidencia de que o uso de informacoes privilegiadas nao e uma preocupacao real para eles. Alem disso, as tentativas econometricas de encontrar uma relacao entre o spread bid-ask e o risco de insider trading tem sido inconsistentes e pouco fiaveis ??(Dolgopolov 2004).

Insider TradingA pesquisa empirica geralmente apoia o cepticismo de que a regulamentacao do uso de informacoes privilegiadas tem sido eficaz nos Estados Unidos ou internacionalmente, como evidenciado pelos lucros comerciais persistentes dos insiders, comportamento dos precos das acoes em torno de anuncios corporativos e taxas de acusacao relativamente infrequentes (Bhattacharya e Daouk 2002; Bris 2005). Mesmo nos Estados Unidos, a negociacao divulgada por pessoas juridicas corporativas geralmente gera lucros anormais (Pettit e Venkatesh, 1995). Assim, a regulamentacao de abuso de informacao privilegiada pode afetar o comportamento de certas categorias de comerciantes, mas nao elimina os lucros da negociacao com informacoes privadas. A explicacao provavel para o fato de que os lucros permanecem e que o regulamento muda a enfase dos insiders do comercio legal para o comercio ilegal, muda as estrategias de negociacao de insiders ou transfere lucros para profissionais de mercado. Por estas razoes, alguns estudiosos duvidam do valor dessas leis para os investidores publicos; Alem disso, a sua aplicacao e onerosa e pode ser perigosamente selectiva.

Insider TradingVarios pesquisadores propuseram que os profissionais de mercado (principalmente, analistas de valores mobiliarios) fossem autorizados a negociar informacoes privilegiadas (Goshen e Parchomovsky, 2001). Esses pesquisadores argumentam que tais profissionais desfrutam de economias de escala e escopo no processamento de informacoes especificas de empresas e externas e sao removidos da tomada de decisoes corporativas. Portanto, permitir que os profissionais do mercado troquem informacoes internas criaria mais liquidez nos mercados de valores mobiliarios e estimularia a concorrencia na aquisicao de informacoes. O argumento relacionado e que a busca "externa" de informacoes e mais valiosa socialmente, mesmo que ocasionalmente seja mais dispendiosa, e que o comercio por parte de iniciados corporativos possa afastar a pesquisa de valores sobre fatores externos (Khanna, 1997). Assim, os defensores da regulamentacao argumentam que o uso irrestrito de informacoes privilegiadas afetaria negativamente o processo de coleta e disseminacao de informacoes pelo setor de valores mobiliarios, e esse ponto de vista tem algum apoio empirico (Bushman et al., 2005). Por outro lado, permitir que os iniciados comercializem informacoes privilegiadas pode permitir que as empresas paguem menos os gerentes porque tem oportunidades de negociacao com informacoes privilegiadas. De fato, ha provas do Japao e dos Estados Unidos de que a parcela em dinheiro dos salarios dos executivos e menor quando os lucros comerciais em potencial sao maiores (Hebner e Kato, 1997; Roulstone, 2003). Se os profissionais do mercado pudessem negociar legalmente sobre informacoes privadas, mas os insiders nao poderiam, os acionistas publicos ainda perderiam, ao mesmo tempo em que nao conseguiam recuperar suas perdas comerciais sob a forma de lucros corporativos mais altos devido a menor remuneracao gerencial (Haddock e Macey, 1987).

Apesar de numerosos e extensos debates, economistas e academicos juridicos nao concordam com uma politica governamental desejavel em relacao ao uso de informacoes privilegiadas. Por um lado, a paridade de informacao absoluta e claramente inviavel, e o comercio baseado na informacao geralmente aumenta a eficiencia de precos dos mercados financeiros. A informacao, afinal, e um bem economico escasso que e caro de produzir ou adquirir, e seu uso e disseminacao subsequentes sao dificeis de controlar. Por outro lado, o uso de informacoes privilegiadas, ao contrario de outras formas de negociacao informada, pode produzir consequencias adversas nao intencionais para o funcionamento da empresa corporativa, o sistema de divulgacao publicamente mandatada no mercado ou o mercado de informacoes. Embora os efeitos do abuso de informacao privilegiada sobre os precos dos valores mobiliarios e os lucros dos investidores tenham sido extensivamente estudados empiricamente, os efeitos de incentivo do abuso de informacao privilegiada e seu impacto no funcionamento interno das empresas nao sao bem conhecidos. Deve tambem considerar-se que as empresas individuais tem um incentivo para pesar as consequencias negativas e positivas do abuso de informacao privilegiada e decidir, atraves de contratos privados, se permitem ou nao. O argumento a favor da existencia de uma regulamentacao publica das informacoes privilegiadas deve, por conseguinte, basear-se em factores como a ineficiencia do impacto negativo geral da aplicacao privada ou das operacoes de iniciados nos mercados de valores mobiliarios.

Insider TradingSobre o autor

Insider TradingStanislav Dolgopolov e um John M. Olin Fellow em Direito e Economia na Universidade de Michigan Law School.

Definicao de "Insider Trading"

Negociacao de informacoes privilegiadas e definida como uma negligencia em que o comercio de valores mobiliarios de uma empresa e realizada por pessoas que em virtude de seu trabalho tem acesso a informacao de outra forma nao publica.

Definicao: Negociacao de iniciados e definida como uma negligencia em que o comercio de valores mobiliarios de uma empresa e realizada por pessoas que, em virtude de seu trabalho tem acesso a informacao de outra forma nao publica que pode ser crucial para a tomada de decisoes de investimento.

Insider TradingDescricao: Quando insiders, e. Chave empregados ou executivos que tem acesso a informacao estrategica sobre a empresa, usar o mesmo para a negociacao de acoes da empresa ou titulos, e chamado de insider trading e e altamente desencorajado pela Securities and Exchange Board da India para promover a justa negociacao na Mercado comum em beneficio do investidor comum.

Insider trading e uma pratica desleal, em que os detentores de outras acoes estao em grande desvantagem devido a falta de informacao privilegiada nao-publica. No entanto, em certos casos, se a informacao tiver sido tornada publica, de modo que todos os investidores em causa tenham acesso a ela, nao sera um caso de abuso de informacao privilegiada.

Veja tambem: Front Running, Valores Mobiliarios, informacoes privilegiadas, informacoes privilegiadas, informacoes privilegiadas, teorias de desvio de fundos, informacoes publicas, titulos e cambio da India